Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

26
Dez18

A minha mãe foi a primeira feminista que conheci (e provavelmente não sabe)

Maria das Palavras

Os meus pais tiveram a graça de terem duas filhas. Sou a mais velha e há uma mais traquinas a seguir. Desde cedo fomos habituadas em casa…a não fazer nada. Pode ser confundido com preguiça (que também temos de sobra), mas foi a educação que a nossa mãe nos deu, o que pode ser ainda mais confuso, mas eu explico.

 

Foto Unsplash - Louça por lavar

 

Vamos mais atrás. A minha mãe teve dois irmãos. Um mais novo e um mais velho. Criada com pais e avós, numa família onde só as mulheres trabalhavam em casa (mesmo que também trabalhassem fora de casa), via-se injustiçada, sobretudo a mando de uma avó, a ter de tratar de todos os afazeres, enquanto os irmãos brincavam livres, em casa e na rua. Ao fim do dia, ao recolher, ainda lidava com as marotices deles, que lhe deixavam um qualquer presente no quarto – por exemplo, a aranha mais gorda que encontrassem no quintal.

Não devem confundir nada disto com maldade. Era a maneira como as coisas eram e não se conhecia outra realidade. Os horizontes estavam fechados.

 

Voltamos a um passado mais recente. Uns 20 anos atrás. Éramos pequenas. Brincamos na sala. Provavelmente eu estou num canto a ler e a minha irmã está a brincar com alguma coisa que não deve. Já temos idade (pelo menos eu) para ajudar a minha mãe na cozinha, mas a minha mãe rejeita a ideia. Ela prefere fazer as camas, tratar da roupa, cozinhar e limpar tudo sozinha. Diz que fez demais quando era menina, só por ser menina, e não quer que cresçamos assim.

 

É verdade que não nos educou para tratar da casa. O correto, provavelmente, seria fazê-lo independentemente do género. O problema é que ela só tinha meninas na amostra. Eventualmente safámo-nos bem: consta que se aprendi quando precisei de me safar, qualquer homem de qualquer idade também consegue, sem ter de usar a desculpa que a isso não foi habituado. Educou-nos antes a pensar que isso não era uma tarefa nossa por default.

 

Hoje olho para trás e dou muito valor ao que a minha mãe faz e sempre fez. Arrependo-me de não ter ajudado mais no passado, ainda que com a sua resistência. Não por mim, que acabei a crescer com os valores certos e desenvolver todas as competências necessárias. Mas por ela, que para resistir ao trauma e o poupar às filhas, o perpetuou nela apenas.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds